terça-feira, 2 de julho de 2013

UBM sedia Olimpíada Especial marcada por amor e voluntariado

Por Larine Flores

Evento contou com representantes de diversas cidades
(Foto: Renan Tolentino)

O Centro Universitário de Barra Mansa recebeu na manhã de sábado (29) atletas de diversas cidades do estado do Rio de Janeiro para a 9ª Edição da Olimpíada Especial. A iniciativa tem como objetivo a inclusão social de portadores de deficiências intelectuais, físicas, auditivas, visuais, entre outras.


Hino Nacional é interpretado em Libras
(Foto: Renan Tolentino)

A abertura do evento foi marcada pela execução do hino nacional, também interpretado para a Língua Brasileira de Sinais, o juramento do atleta, proferido pelos participantes em respeito à competição, e a corrida de fogo simbólico, representada por alunos de Barra Mansa.

Voluntário no evento, Edvaldo Barbosa Rameira é professor de educação física e participa há sete anos. Durante o primeiro ano, Edvaldo participou como aluno da instituição e a experiência foi tão significativa que o incentivou a continuar o trabalho. Segundo ele, a Olimpíada é uma forma de valorizar os portadores de necessidades e integrá-los à sociedade. Para ele, a participação em um evento esportivo é importante também para a construção de uma auto estima positiva.
O professor Edvaldo é voluntário há sete anos
(Foto: Renan Tolentino)

Os estudantes do terceiro período de Educação Física, Natham da Silva Oliveira, de 21 anos, Gisele Caetano, de 24 anos, Thainara Moreira, de 19 anos, Luis Gustavo Chaves, de 19 anos, Jackson Ferreira, também de 19 anos, concordam com Edvaldo e seguem o caminho do professor. Para eles, a prática de esportes e a convivência ajudam os atletas a superarem e os motiva a vencerem cada vez mais desafios. O grupo afirma ainda ser um prazer participar de um evento inclusivo.
Solidários, universitários participam pelo segundo ano
 (Foto: Renan Tolentino)

Entre todos os voluntários que doam tempo e disponibilidade para a realização do evento, talvez os familiares sejam os mais empenhados. Tal vigor e comprometimento são pintados em cada traço de batom de Márcia Aparecida Magalhães, que se auto-intitula “tia-mãe” de Mariana Magalhães Andrade, de 23 anos.

Aos três meses de idade, Mariana sofreu uma meningite, que causou hidrocefalia, comprometendo áreas do cérebro da jovem. Mariana tinha apenas cinco anos quando a mãe faleceu, vítima de um acidente automobilístico. A criança, que acompanhava a mãe no momento do acidente, passou então a ser criada pela tia.

“Apesar de todos os problemas de saúde, as internações e dificuldades, Mariana é um exemplo. É feliz, disposta e inspiradora, além de estar sempre animada!” diz Márcia, orgulhosa.


Márcia e Mariana
(Foto: Renan Tolentino)


Segundo Márcia, a Olimpíada é de grande importância para os participantes e uma das maiores alegrias da sobrinha, que neste ano se inscreveu para vôlei, zigue-zague e corrida. “Ela arruma o uniforme na noite anterior, mal consegue dormir... É muita ansiedade” relata. Perguntada sobre as expectativas de Mariana pelas premiações, Márcia é categórica: “A medalha não importa de nada. O importante é a convivência, a alegria em participar. O importante é a alegria deles!”. E quem vê Mariana correr e brincar com outros atletas não duvida. O que mais poderia importar?

terça-feira, 11 de junho de 2013

Jornalistas são acusados de racismo em charge


Por Renata Carvalho

 O Tribunal de Justiça de Santa Catarina condenou, no dia 28 de maio deste ano, um chargista e um jornalista chefe de um jornal da Região Serrana do Estado, pela prática de racismo. Isto aconteceu por causa de uma ilustração publicada em fevereiro de 2007. A decisão foi unanime pela 4ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Estado.
A denúncia foi realizada pela Promotoria da Comarca de Lages. A acusação foi por causa da publicação de uma charge, que retratava a discussão da maioridade penal. Na ilustração, aparece uma mulher negra em uma sala de parto e mais três bebês, também negros. Estes estão com tarjas nos olhos, e saindo da sala. Por fim, o desenho mostra um médico que, ao telefone, gritava: “Segurança!!! É uma fuga em massa!!!”.

Segundo o relator do caso, Henrique Schaefer Martins, ele acredita que a forma como as crianças negras descem pelo lençol, e a frase dita pelo médico, tem intenção de comparar a situação com a fuga de um estabelecimento prisional, ocorrendo um racismo velado. Para o relator, a ilustração da charge relaciona diretamente crianças negras com a criminalidade.


Opinião dos estudantes
                Estudantes do Curso de Jornalismo explicaram sua opinião sobre a charge. “Acho a charge preconceituosa, quando ele coloca bebês negros no desenho, fugindo. Ele usa o estereótipo de que negro é criminoso e eu não acho isso certo”, apontou a estudante Renata Gonçalves. 
Porém, Renan Maia, discorda. Para ele, não se trata de uma charge racista. Ela retrata o momento atual da sociedade sobre a redução da maioridade penal no Brasil. “Não acho que seja racista. Quando paramos para analisar o momento social em que estamos, a questão é bem mais complexa e serve como base para discussão. Esta sim é que deve apresentar e propor soluções para o problema”, disse Renan. 

Chargista e jornalista punidos

Condenados, o chargista recebeu a pena de dois anos de reclusão e o editor-chefe, que teve a atuação considerada de menor importância, recebeu pena de um ano e quatro meses de reclusão.

Maioridade penal causa polêmica entre estudantes

-->
Alunos discutem punição que adolescente deve receber

 
-->
Por Renata Carvalho

Crimes cada vez mais violentos e cruéis, muitas vezes com a participação de um ou mais adolescentes durante a execução, reacendem a discussão pela redução da maioridade penal no Brasil. Em São Paulo, principalmente, dois casos recentes ganharam repercussão nacional e causaram a revolta da população, sobre a forma de punição aplicada aos criminosos menores de dezoito anos.     

Crimes com participação de adolescentes

Há um mês, um jovem de 19 anos foi morto por um menor de idade, na porta de casa, quando voltava do trabalho. O assassino que completou dezoito anos, três dias depois de ter matado o estudante, foi levado para a Fundação Centro de Atendimento Socioeducativo ao Adolescente (Fundação Casa), onde vai permanecer até completar 21 anos e ter a ficha criminal limpa. O motivo do crime foi o roubo de um telefone celular. Outro crime violento também cometido com a ajuda de um adolescentem, em São Paulo, foi o da dentista Cinthya Magaly Moutinho de Souza, 47 anos, que teve o consultório invadido por três homens e atearam fogo em seu corpo, após ela afirmar que não tinha dinheiro.

Apesar da covardia e violência dos crimes citados acima, a luta da população é por justiça e punição aos criminosos. De acordo com Estatuto da Criança e do Adolescente, o menor de idade, ao ser flagrado cometendo um ato infracional, deve receber punições de medidas sócio-educativas, como: prestação de serviços à  comunidade; advertência; ser internado em estabelecimento educacional; ter a liberdade assistida; receber um acompanhamento temporário e a obrigação de reparar o dano.

Alunos opinam sobre a punição

Para falar sobre esse assunto importante, alguns alunos do UBM disseram o que pensam sobre a redução da maioridade penal no Brasil e que tipo de punição o adolescente deve receber. A estudante Fernanda Maciel da Costa, aluna do 5º período de Matemática, acredita que o adolescente deve responder por seus atos. “Sou a favor da redução da maioridade sim. Acho que a justiça tem que ter um equilíbrio, mas se os adolescentes cometem um crime, como matar alguém, devem ser punidos da mesma maneira que uma pessoa maior de idade”, comenta a estudante.

Por outro lado, a aluna Karina Costa de Souza, também estudante de Matemática, se diz contra a redução da maioridade penal. “Eu acho que só diminuir a maioridade não vai resolver a violência. Para mim o adolescente tem que receber uma punição realmente forte, mas não acho que deve ir para uma cadeia comum, porque ele vai sair pior do que entrou”, explica Karina.

domingo, 9 de junho de 2013

Site dos alunos de jornalismo do UBM sobre caminhoneiros já está no ar

A página Vida de Estrada trará diversos conteúdos sobre o universo dos caminhoneiros




Por Brunna Flores

O site Vida de Estrada foi criado e desenvolvido pelos alunos do último período do curso de jornalismo do UBM. Orientados pela professora de Hipermídia, Raquel Timponi, como parte do projeto de conclusão de curso. A finalidade da página é mostrar de forma diferente essa profissão tão pouco valorizada no país.

A página foi dividida em editorias, como: Casos de família; Histórias; Economia; Legislação e Multimídia, para facilitar o acesso dos internautas. Cada seção aborda um tema diferente sobre os caminhoneiros, com depoimentos e relatos reais desses profissionais.
Há uma editoria também chamada Envie a sua História, onde qualquer pessoa poderá contar a sua história e que será publicada do site.

Os alunos também criaram programas de rádio web sobre esse tema, com muitas histórias, notícias, entrevistas e músicas, que já estão disponíveis no site, também na seção Multimídia.
Para a estudante, Amanda Peres, o site vai abordar um tema pouco explorado, “O site veio trazer um tema que não é muito falado. Qualquer pessoa pode acessar a página, não só caminhoneiros. Poderá ler histórias interessantes, saber um pouco mais sobre a legislação e também ouvir diversos programas de rádio, criados pelos próprios alunos, sobre os mais diferentes temas. Acredito que o site será um sucesso”, finalizou.

O endereço para quem quiser acessar o site é: http//www.vidadeestrada.wordpress.com.br

terça-feira, 4 de junho de 2013

Prêmio Petrobras de Jornalismo está com inscrições abertas




Interessados podem se candidatar até dia 10 de julho; prêmios chegam a R$ 30 mil


Por Renata Gonçalves

Estão abertas, até dia 10 de julho, as inscrições para o Prêmio Petrobras de Jornalismo. A ação é apoiada pela Federação Nacional dos Jornalistas (FENAJ), Sindicato dos Jornalistas do Município do Rio de Janeiro, Associação Brasileira de Imprensa (ABI) e Associação de Repórteres Fotográficos e Cinematográficos (Arfoc).
Serão premiados trabalhos distribuídos nas categorias Nacional e Regional sobre os temas “Cultura”, “Responsabilidade Socioambiental”, “Esporte”, e “Petróleo, Gás e Energia”, com reportagens já veiculadas em jornal/revista, rádio, televisão e portais de notícias. A Petrobras também vai premiar a melhor fotografia nas categorias Nacional e Regional, em qualquer um destes temas e veículos.
Poderão participar os autores de matérias veiculadas, no período de 10 de maio de 2012 a 9 de maio de 2013. O prêmio será de R$ 17.200 (bruto) para cada um dos autores das melhores reportagens nacionais e da melhor foto nacional, e de R$ 7.150 (bruto) para cada um dos autores das matérias regionais de cada tema e da melhor foto regional. Além dessas categorias, haverá ainda o Grande Prêmio Petrobras de Jornalismo, de R$ 30.000 (bruto), para a melhor reportagem entre todas as enviadas.
“Esta é uma grande oportunidade para que o trabalho dos profissionais de jornalismo seja reconhecido”, opinou a estudante de jornalismo do 7º período, Carla Rodrigues. “Tipos de prêmios e eventos como esses valorizam a profissão e proporcionam o aumento da qualidade do material produzido por parte dos jornalistas para a sociedade”.
             A Ficha de Inscrição e o Regulamento completo estão disponíveis no site http://www.petrobras.com.br/pt/ da Agência Petrobras. O material deve ser enviado para a sede da empresa (Av. República do Chile 65, 10º andar / sala 1001, Centro, Rio de Janeiro - RJ - CEP - 20031-912). Os trabalhos vencedores e seus respectivos autores serão conhecidos em outubro deste ano. Mais informações pelo e-mail: premiopetrobras@agenciapetrobras.com.br ou pelos telefones (21) 3224- 3932 ou 3224-4281.

segunda-feira, 27 de maio de 2013

Galeria de Arte do UBM recebe exposição fotográfica

A exposição é aberta para todo público até o dia 14 de junho

Exposição "Fotografias Recentes"


Por Brunna Flores

A Galeria de Arte Clécio Penedo do UBM está recebendo nesse mês uma exposição para quem gosta de fotografias. A arte de Jesse Chiesse e Paulo Dimas com o nome “Fotografias Recentes”, inclui o trabalho dos dois artistas, que são bastante conhecidos na região Sul Fluminense.
Os trabalhos são de temas aleatórios, como o dia-a-dia, paisagens, clicados recentemente pelos artistas.
Jessé, professor de fotografia, explica que algumas de suas fotos foram feitas em Barra Mansa, e outras em uma praia. Já Paulo Dimas, que trabalha com fotojornalismo, em suas fotografias busca retratar temas noticiosos.
Para a estudante de Jornalismo Renata Gonçalves as exposições são muito importantes para os alunos, “Sou apaixonada por fotografias e as fotos dessa exposição são impressionantes. Na minha opinião, eventos como esse são de suma importância para o nosso curso de Comunicação. O UBM tem sempre que trazer exposições como essa para a nossa faculdade, porque arte nunca é demais” enfatiza. Já para a aluna Viviane Andrade as exposições são uma ótima oportunidade para a população conhecer o trabalho dos artistas da região “A Galeria de Arte do UBM dá oportunidade para os artistas exporem suas obras, mostrarem seu talento, porque na cidade falta lugar para eles divulgarem seus trabalhos,” conclui.

A exposição “Fotografias Recentes” de Jesse Chiesse e Paulo Dimas ficará na Galeria de Arte Clécio Penedo do UBM até o dia 14 de junho, de segunda a sexta-feira, das 16h às 21h30min e, para os alunos de jornalismo, ainda conta horas como atividade complementar do curso.

quinta-feira, 23 de maio de 2013

Mais uma empresa promove onda de demissões




por Talita Affonso
Imagens: Reprodução/Internet

  No dia 23 de maio, o jornal “Valor Econômico” promoveu cortes em sua sede, na capital paulista, e em duas sucursais: Rio de Janeiro e Distrito Federal, atingindo diversas editorias. A decisão do periódico engrossa a onda de demissões que atinge os veículos de comunicação.
Valor Econômico se junta às estatísticas de demissões na Comunicação
  O caso mais recente aconteceu no início do mês de maio, quando funcionários do RecNov, complexo de estúdios da Rede Record no Rio de Janeiro, recebeu a notícia de que, sob a suposta alegação de corte de custos, pelo menos 260 deles deixariam a emissora. De acordo com informações internas veiculadas em meios como o portal UOL, muitos dos empregados eram comunicados sobre a demissão em pleno exercício de suas funções.
Recnov: complexo de estúdios da Record teve seu corpo de funcionários reduzido em 10%

  Este fenômeno atingiu também o Sul Fluminense, por meio das 30 destituições ocorridas na afiliada barramansense da Band. Entre os demitidos, empregados na área jornalística e administrativa, além da extinção de programas como o esportivo “Tô na Área”, “Band Cidade” e “Entrevista Coletiva”.
Falta de apoio financeiro foi a razão das demissões na afiliada barramansense da Band

  A aluna do 5º período de jornalismo, Larine Flores, estava no contingente atingido pelo desligamento na Band. Segundo a ex-estagiária do grupo, o fato já era especulado há pelo menos três dias. “Desconfiamos porque já tinha informações vazando e um dia antes (3 de abril) foi confirmado. No dia seguinte, quando já sabíamos, o diretor de jornalismo conversou com a gente. As demissões começaram a partir do meio-dia”, narra.
  Larine destaca a questão financeira como fator que motivou a decisão da empresa. “Além disso, éramos um grupo muito pequeno com muito trabalho e muitas parcerias também foram desfeitas", afirma.

Facebook propõe mudar lei eleitoral e liberar campanha online


Vinícius Magalhães

Lançando mão da liberdade de expressão e contra a censura, o novo texto propõe liberar manifestações de políticos, candidatos e eleitores independentemente do período eleitoral.

A proposta de inclusão do Artigo 36-C não considera propaganda eleitoral a veiculação de mensagens ou postagens em redes sociais realizada por candidatos ou eleitores. Em suma, as mudanças blindam blogs, portais e redes sociais: tira o poder da Justiça Eleitoral de veto imediato do que for considerado publicidade ou campanha antecipada – embora não iniba possíveis punições. 

Se a minirreforma eleitoral passar, o que se espera para este ano, a proposta extinguirá o Artigo 57-I, o que hoje dá direito a qualquer político ou partido de requerer na Justiça o bloqueio da conexão por 24 horas.

A idéia é que a responsabilidade passe a ser de quem publicar, e o provedor só será responsabilizado judicialmente caso não tome providências, após determinado prazo, para que o autor do texto mude o conteúdo ou o exclua.

A emenda foi sugerida pelo advogado Mauro Falsetti ao deputado Sérgio Zveiter (PSD-RJ). Por ora foi acolhida com sucesso e simpatia pelos parlamentares do grupo de trabalho que estuda mudanças na Lei Eleitoral, comandado pelo deputado Cândido Vaccarezza (PT-SP). A proposta será estudada e depois levada ao colégio de líderes, que decidirá pela sua apresentação ou não.

O poder das mídias

Com o advento de sites como o Facebook e Twitter um contingente massivo de cidadãos com acesso à internet, ao redor do mundo, têm associado essas ferramentas para fins diversos, entre eles, suas manifestações políticas. Associados às outras plataformas de compartilhamento como Youtube, Flirck e Instagram, tornam-se os principais disseminadores de mensagens de campanha em ambientes online.

As redes sociais são como praças, ruas e avenidas onde os internautas discutem e expõem opiniões sobre seu cotidiano e a vida política. Diferente dos outros meios de comunicação, a internet é a mais neutra e livre de todas, o que torna importantíssimo a adequação desse espaço para o público dos dias atuais. 

Além de informar sobre seus candidatos e partidos, a livre circulação de informação nesses espaços, engajam a população ao interesse político, a pensar melhor sobre seu país e seus líderes.

Fonte:http://colunaesplanada.blogosfera.uol.com.br/2013/05/19/proposta-do-facebook-pode-incitar-campanha-antecipada-nas-redes/

 

Site é condenado pela justiça por invadir conta de jornalista no facebook


Lenara Martins


O site de Cuiabá Olhar Digital foi condenado a pagar indenização por danos morais à jornalista Julia Gabriela Nogueira Munhoz. O valor de R$ 5 mil que será pago pelo site foi pelo motivo de o mesmo ter invadido a conta da profissional no facebook e elaborado um dossiê das mensagens que ela troca com os amigos na rede social.
Ela foi demitida em dezembro de 2012 por justa causa. De acordo com o Tribunal Regional do Trabalho de Mato Grosso, além de indenizar e reverter a demissão de Júlia, o Olhar Digital deverá pagar os salários do período de dezembro de 2012 a junho de 2013, além do aviso prévio, FGTS, multa rescisória, 13º salário e férias.
    O ressarcimento é referente também à dispensa arbitrária durante sua gravidez. A jornalista iria entrar de licença maternidade quando descobriu que sua conta no facebook foi invadida. Depois de todo rebuliço, juntamente com os seus colegas, entregou à direção da empresa uma nota de repúdio pelo acontecido. Posteriormente ela e outros profissionais foram demitidos por justa causa.
Para o estudante de Jornalismo do UBM (Centro Universitário de Barra Mansa), André Calcagno, direitos básicos como a liberdade devem ser garantidos, seja onde estiver ou quem quer que seja. “Casos como este revelam abusos que infelizmente são recorrentes”, diz André.

terça-feira, 14 de maio de 2013

Redes Sociais mobilizam a população

Campanhas nas redes sociais têm ajudado a população a fazer denúncias e até mesmo encontrar pessoas desaparecidas.



Por Brunna Flores

Você usa facebook? Twitter? Ou outras redes sociais? Compartilha matérias, campanhas, fotos, notícias ou correntes?
As Redes Sociais apesar de criadas para a interação das pessoas, também estão servindo para dar voz à população. Todos os dias vemos em nossa página de relacionamento, compartilhamento de pessoas desaparecidas, bandidos, campanhas contra algum tipo de discriminação ou doença, fotos de maus tratos aos animais. Com isso milhares de pessoas tomam ciência e acabam se tornando “colaboradores” da justiça.
Nos casos das pessoas desaparecidas, seus parentes postam imagens e informações nas Redes Sociais, por ter chance de divulgar para mais pessoas. Em pouco tempo a campanha vai se espalhando pela rede, aumentando, assim, a possibilidade de encontrar entes desaparecidos.
Para a estudante de Direito, Thamyres de Oliveira, as redes sociais se tornaram ferramentas muito importantes para todos, “Hoje mesmo eu vi no meu facebook alguns amigos compartilhando a foto de um rapaz que havia desaparecido em uma cidade próxima. Mais tarde entrei na rede de novo e vi que haviam encontrado o menino. A força das redes sociais está crescendo muito, e as pessoas também se solidarizam com as outras. Mesmo não conhecendo, acabam compartilhando para ajudar”, afirma.
A mobilização nas redes sociais está aumentando significativamente a cada dia. Campanhas estão surgindo á todo momento, mas muita coisa do que se vê não é verdade. Campanhas fraudulentas também são frequentes na internet, devemos ser bastante cautelosos nas redes sociais e não acreditar em tudo que vemos.

Veja alguns casos de mobilização nas redes sociais nos links abaixo:

Rádio UBM completa dois anos este mês!





Novidade fica por conta da internet, onde os ouvintes poderão gravar e fazer download dos programas feitos pelos alunos.

Talita Camargo, aluna do 7º de Jornalismo.
Por Viviane Andrade

A rádio UBM, do Centro Universitário de Barra Mansa, completa dois anos no dia 26 de maio (domingo). Com programas feitos pelos alunos e que se dividem em variados temas, 24 horas por dia através da internet, a rádio vem se destacando cada vez mais dentro e fora da instituição. Além de funcionar como laboratório para os alunos de Jornalismo, é um espaço institucional onde são divulgados todos os projetos do UBM.

A novidade é que agora o site da rádio está todo reformulado. Os ouvintes poderão gravar e fazer download dos programas veiculados, uma facilidade para quem não pode acompanhar a rádio no horário determinado, além da possibilidade de compartilhamento nas redes sociais. 

Com programas que falam de notícia, esporte, cultura, saúde e música, a rádio UBM é inteiramente produzida pelos alunos de Jornalismo, que se dividem entre os programas e o curso. Atualmente, a rádio engloba um total de 15 programas, são eles: Bola Rosa, Café Cultural, Cupido UBM, Espaço UBM, Intervalo UBM, Ponto de Vista, Para Matar a Saudade, Rock'n Roll Rádio, UBM Flashback, UBM Notícias, UBM Sucessos, UBM Entrevista, Prata da Casa, Saúde em Foco e Encontro MPB.

Para o aniversário da Rádio UBM, os ouvintes ganham de presente uma radionovela, produzida pelos alunos do 5º e 7º período do curso de Jornalismo. A equipe é dividida entre elenco, roteiristas e produção. Com seis capítulos e uma história de ficção, a trama estrela com o nome “Depois do Fim”. A história se passa em 2060 e aborda a questão da falta d'água no mundo. O roteiro é do aluno Edson Sill, do último período do curso.

A aluna Talita Carmargo, 7º período de Jornalismo, não faz parte da radionovela, mas diz ser uma ouvinte assídua dos programas. “Não faço a radionovela, mas acho a iniciativa da faculdade muito boa. Além de ser algo gostoso de ouvir, nós podemos ter contato com o lado prático do jornalismo antes de se lançar no mercado de trabalho”, contou orgulhosa.

Acesse a Rádio UBM através do www.ubm.br.


Alunos de Jornalismo do UBM produzem programa de rádio web

Os programas serão exibidos em site criado pelos próprios alunos
 

Alunas gravam o programa de rádio web


Por Brunna Flores

Formandos do curso de Jornalismo do UBM produzem programas de rádio web diversos sobre o universo dos caminhoneiros da região Sul Fluminense.  Os programas fazem parte das atividades da disciplina de Projetos Experimentais em Hipermídia e vêm complementar outros dois produtos desenvolvidos ao longo do período pela turma: o livro-reportagem Gigantes da Estrada, que concorre ao prêmio Expocom Sudeste 2013, e o site sobre caminhoneiros, também criado pelos alunos, com conteúdo exclusivo elaborado em sala de aula.  

Divididos em trio, os alunos farão os programas semanalmente, que ficarão disponíveis no site http://www.vidadecaminhoneiro.wordpress.com. Os temas dos programas serão os caminhoneiros, abrangendo vários aspectos desse mundo: terá notícias, músicas, as famosas frases dos caminhões, curiosidades, entrevistas e muito mais.

A aluna do 7º período, Viviane Andrade, enfatiza a importância de um trabalho como esse no final do curso. "Na minha opinião, agora no final do curso é hora de colocar em prática tudo que aprendemos na teoria durante a faculdade. Fazer esse programa de rádio web semanalmente, vai ser uma experiência ótima para todos os alunos e, com certeza, vai aprimorar e complementar mais nosso conhecimento", afirma.

O Programa de rádio web será o último trabalho de Hipermídia dos alunos que vão se formar em julho e encarar o mercado de trabalho. Por isso, os professores de todas as disciplinas estão exercitando a prática dos alunos, para que possam entrar no mercado de trabalho com experiência e competir por uma vaga.

terça-feira, 7 de maio de 2013

Tendência? Ex-repórter da Globo deixou telejornalismo para abraçar temática do sexo



Julieta Jacob deixou emprego para se dedicar a blog sobre o assunto

Por: Victória Amaral

Além de assessores voltados para o mercado erótico, estão surgindo no país cada vez mais jornalistas especializados no segmento. A jornalista recifense e ex-global Julieta Jacob é um dos exemplos retratados pelo site Portal Imprensa esta semana.  Formada pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Julieta, apesar de possuir um bom currículo em TV, sempre almejou algo mais para sua carreira. “Fiz jornalismo e queria muito me especializar em sexualidade. Mas queria estudar o tema como alguém que se especializa em uma área, como uma jornalista de economia ou de política”, conta.

Rumo ao seu objetivo, passou uma temporada no Canadá para estudar inglês e aproveitou o ensejo para cursar disciplinas de sexualidade em uma faculdade local. Depois que voltou, mergulhou fundo no assunto em um curso de capacitação no Recife, aberto a profissionais de várias áreas. Um de seus grandes passos foi a criação do blog Erosdita, que está no ar há um ano. O sucesso foi tamanho – cerca de 50 mil acessos por mês - que ela decidiu largar o emprego fixo e se dedicar somente ao blog.

Além de artigos e matérias, responde dúvidas dos internautas e apresenta temas variados no webprograma “Sexo a Duas”, ao lado da colega Rebecca Spinelli. “O blog vai desde higiene íntima até sex toys. Ou seja, é uma sexualidade que vai desde a gestação até a terceira idade.” Segundo Juliana, a atração pelo tema veio da falta de informação sobre educação sexual durante a adolescência, tanto na escola, quanto dentro de casa. “Por isso, além de jornalístico, tem um elemento de educadora também.”

UBM discute regulamentação da internet



Evento reuniu alunos de Direito e Jornalismo além de autoridades no assunto

Canal Aberto abordou regulamentação da internet em sua segunda edição



O curso de Jornalismo do Centro Universitário de Barra Mansa (UBM) promoveu no dia 26 de abril o Canal Aberto, evento que já está em sua segunda edição. Neste ano, alunos de Direito também participaram. Para discutir o “Marco Civil da Internet” o relator do projeto, deputado federal Alessandro Molon (PT-RJ), foi convidado assim como o professor do curso de Direito do UBM Pedro Luiz Dalbone e a jornalista Mônica Mourão, do Intervozes. O debate foi mediado pela jornalista e ex-aluna do UBM, Aline Franco.
“O MCI defende três pontos principais relacionados à privacidade do usuário, neutralidade da rede e liberdade de expressão”, frisou o deputado federal Alessandro Molon. O debate levantou polêmicas como a comparação do projeto com o estabelecimento de uma censura. Ao final, porém, todos os convidados concordaram que é preciso estabelecer uma regulamentação ao mundo virtual.
O assunto continua na rede. Quem tiver interesse em saber o que foi discutido na íntegra durante o debate pode acessar o canal do curso de Comunicação Social do UBM no Youtube, clicando aqui, e assistir a gravação de vídeo do programa.

terça-feira, 9 de abril de 2013

UBM promove debate sobre direitos e deveres na Internet

Evento conta com a participação do deputado Alessandro Molon

Por: Carla Rodrigues

Você que gosta de um bom debate sobre temas da atualidade no campo da Comunicação e usuário da Internet, não podem perder o Canal Aberto!

O Centro Universitário de Barra Mansa irá promover um debate com várias personalidades no ramo da comunicação. Entre eles, o deputado federal do Rio de Janeiro, Alessandro Molon. Ele que é o relator do projeto Marco Civil da Internet, que está tramitando na Câmara dos Deputados.


 


Para quem não conhece, o Marco Civil da Internet é um projeto de lei que estabelece princípios, garantias, direitos e deveres dos usuários na Internet. É uma espécie de Constituição da Internet.

Os principais pontos do Marco Civil da Internet são: liberdade de expressão, neutralidade da rede, privacidade dos usuários, guarda de registro e responsabilidade civil de terceiros.

O evento ocorrerá no dia 26 de abril, às 19h, no Salão Nobre do UBM.

Venha e participe!

Profissionais de jornalismo em grande estresse

Pesquisas apontam para aumento de depressão, assédio e uso de drogas entre jornalistas

Por: Rianne Netto

O doutor em Psicologia e professor na Universidade de Campinas (Unicamp), José Roberto Heloani, iniciou, em 2003, um estudo com foco na qualidade de vida do profissional de jornalismo. A pesquisa terminou em 2012 e, durante o processo de investigação, cerca de 250 jornalistas foram ouvidos sobre temas como: saúde mental, identidade, subjetividade e a incidência de assédio moral e sexual. Ao final, Holani concluiu que, entre os profissionais de jornalismo, houve um aumento nos casos de depressão, infidelidade e uso de drogas.


Apesar de casos de assédio moral e sexual também terem aumentado no ambiente jornalístico, o número de pessoas que recorrem à Justiça diminuiu. Segundo Heloani, “essas situações tornaram-se mais rotineiras, embora já existissem. Mas o problema vai além. O jornalista precisa ter muita coragem para fazer uma denúncia formal de assédio se quiser permanecer no mercado. Além disso, trocar de profissão, quando desejado, não é fácil.”

A competição no mercado de trabalho e a exigência de um profissional multimídia tem grande peso nessa questão. A pressão para que o jornalista seja, ao mesmo tempo, repórter, fotógrafo e editor tem direcionado grande parte da categoria para o estresse patológico e para a procura de drogas lícitas e ilícitas, como álcool e cocaína. O pesquisador explica que essas atitudes são “uma forma de o ‘cara’ conseguir escrever quatro ou cinco matérias em veículos diferentes, dormir três ou quatro horas e dar conta do recado. É cada vez maior o número de pessoas que trabalham intoxicadas.” O professor Heloani explica que, para diminuir todos esses aspectos de tensão que acompanham alguns profissionais de jornalismo, “a única maneira de diminuir isso é começar a dialogar mais sobre o assunto”, finaliza.


quarta-feira, 27 de março de 2013

Ex-aluna parabeniza 35 anos do Curso de Comunicação


Aluna conta sua trajetória, após 12 anos de formada no UBM 

Por: Talita Camargo 



Este ano o curso de Comunicação do UBM comemora 35 anos. A data será lembrada (e comemorada) nos diversos meios de comunicação da instituição. Como fizeram parte dessa história, os ex-alunos não poderiam ficar de fora: nos 35 anos, muitos profissionais conceituados passaram pela faculdade e hoje mostram sua admiração e orgulho pelo curso.

Uma dessas alunas é Fernanda Albuquerque e Silva, 32 anos, jornalista formada há 12 anos na universidade. Na época em que estudou, ainda havia as três habitações do curso: Jornalismo, Publicidade e Propaganda e Relações Públicas. “Entrei em 1998 e meu baile de formatura foi em fevereiro de 2001” comenta. Ela se sente lisonjeada por fazer parte dos 35 anos e parabeniza a instituição e os professores pela data: “Fico muito feliz em fazer parte dessa história. O jornalismo é a grande paixão da minha vida. O curso superior mudou minhas perspectivas. O curso não comemoraria essa data se não fossem nossos mestres, que sempre apoiaram os alunos”.

Durante a faculdade, Fernanda garante ter passado por muitos momentos bons e afirma que será um momento muito triste se algum dia o curso acabar. Hoje a ex-aluna é sócia de uma agência de comunicação, em São José dos Campos/SP, e acredita que o curso ajudou muito na decisão de sua carreira e continua contribuindo até hoje. “A graduação me ajudou com a base necessária para a formação em Jornalismo. Por meio do conteúdo adquirido no curso, pude experimentar na prática a profissão, atuando em vários veículos e órgãos, até decidir empreender”, explica.

Em relação ao mercado de trabalho, Fernanda acredita que mudou muito nesses 12 anos que se passaram. Afirma que as novas tecnologias ajudaram na evolução do jornalismo e no trabalho diário do jornal de hoje. “O mercado mudou. Naquela época, ainda estávamos entrando na era do profissional multimídia. Hoje isso já é uma realidade. Nenhuma das áreas da comunicação pode ser executada sozinha. Precisamos cada vez mais da comunicação integrada, 360°”, finaliza.


Você sabe o que são crimes virtuais?

Invasões à rede pessoal são cada vez mais frequentes em todo o mundo 

Por: Bruna Flores



Crimes virtuais são os praticados através da internet, já enquadrados no Código Penal Brasileiro, com autores sujeitos às penas previstas por Lei. Os casos mais comuns são: pirataria, discriminação, ameaças, falsa identidade, pedofilia, estelionato, entre outros.

Na mídia, nos últimos dias, o crime virtual de grande repercussão foi o caso do ator Murilo Rosa, vítima de uma quadrilha da internet, que teve imagens íntimas divulgadas de seu computador pessoal. As fotos foram reproduzidas de um vídeo que o ator teria feito para a sua mulher.

O ator procurou a polícia por ter recebido uma mensagem de voz, exigindo dinheiro para não divulgar as fotos e o vídeo na internet. O caso está sendo investigado, pela Delegacia de Repressão aos Crimes de Internet, como extorsão.

Vale lembrar o crime semelhante, ocorrido com a atriz Carolina Dieckmann, que recentemente, rendeu seu nome à Lei dos Crimes Cibernéticos (12.737/2012), apelidada de "Lei Carolina Dieckmann", já sancionada, que entra em vigor no próximo dia 2 de abril.

Como funciona a nova lei?

A lei caracteriza como crime de meio eletrônico a invasão aos computadores, violação de dados de usuários ou "derrubada" de sites. Também especifica como crime a violação indevida de equipamentos e sistemas conectados ou não à rede de computadores, com o fim de obter, adulterar ou destruir dados ou informações sem autorização do titular, ou ainda para instalar programas que facilitam o acesso a informações "vulneráveis".

A nova Lei, apesar de já gerar questionamentos, aponta que os crimes menos graves, como "invasão de dispositivo informático", podem ser punidos, com prisão de três meses a um ano, além de multa. Condutas mais graves, como obter conteúdo de "comunicações eletrônicas privadas, segredos comerciais ou industriais, informações sigilosas" podem ter pena de seis meses a dois anos de prisão, além de multa. Ocorre o mesmo se envolver a divulgação, comercialização ou transmissão a terceiros, por meio de venda ou repasse gratuito, do material obtido com a invasão.

Na opinião da aluna de direito do UBM, Thamyres de Oliveira, os internautas estão expondo demais suas vidas na rede: “Hoje em dia você sabe todos os dados das pessoas, através das redes sociais, nome completo, idade, endereço. Localiza até a pessoa naquele exato momento. As pessoas estão esquecendo que a internet pode ser muito perigosa. Temos que evitar expor demais nossas vidas na rede", enfatiza Thamyres.

É importante que os internautas tomem cuidado com a sua segurança no mundo virtual, usando a internet com responsabilidade e tomando os devidos cuidados, para que essa tecnologia seja uma aliada, e não o contrário.